skip to Main Content
duende@divagacoes.org

Com a permissão do Tommie Kelly, traduziremos materiais dos Quarenta Servos, o post atual é um FAQ introdutório desse link: https://www.adventuresinwoowoo.com/thefortyservants/#whatare

Espero que gostem, com o passar do tempo também cada um dos servos(e também o guia rápido).
Achou que ficou bom? Tem algo a acrescentar? Deixe nos comentários!

Espalhem essa ideia

O que exatamente são Os Quarenta Servos?

Primeiramente (#foratemer), Os Quarenta Servos são quarenta arquétipos individuais, ideias ou representações de energias que podem ser usadas para propósitos divinatórios. Por exemplo, você pode embaralhar o deck, escolher as cartas e coloca-las de forma que siga uma determinada jogada. Analisando a posição das cartas na jogada e pesquisando o que aquela carta representa pode oferecer algum insight sobre a questão perguntada.

Em segundo lugar, Os Quarenta Servos também podem ser usados no seu dia a dia cotidiano para aumentar ou diminuir a quantidade de energia ou influencia que aquele Servo representa. Isto é conhecido em alguns lugares como “Magia”, mas alguns chamam por outros nomes.

Você pode usar Os Quarenta Servos exclusivamente como instrumento divinatório, ou exclusivamente para magia, ou usa-los para ambas as coisas. É uma escolha totalmente sua, de acordo com suas necessidades ou preferências. Se divinação não é a sua praia então o uso mágico vai continuar te servindo tão bem quanto, o oposto também é verdade.

Mas as descrições acima são somente de seu uso e não de sua natureza. Então, o que exatamente são Os Quarenta Servos?

No início, eu tinha uma resposta muito definida para a natureza exata dos Servos: “Os Quarenta Servos são servidores”; Mas hoje não tenho tanta certeza. Hoje em dia, é difícil apontar exatamente o que são, e quanto mais eu tento, mais tenho a sensação de que de alguma forma estou perdendo o ponto e, de muitas maneiras, apenas estou limitando-os ao tentar isso.
Mas definir um servidor é um lugar tão bom para começar, quanto qualquer outro, então comecemos por isso.

Um servidor é comumente descrito como uma forma-pensamento. Pessoalmente, prefiro ver um servidor como uma ideia. Servidores são criados para cumprir uma finalidade específica ou executar uma determinada função. Portanto, no nosso caso, cada um dos Quarenta Servos recebeu um papel próprio ou poder especial, para que possam ser usados para ajudá-lo(a) ou guiá-lo(a). Alguns Servos representam proteção, ou aumento de boa sorte, enquanto outros transmitem sabedoria e conhecimento, alguns são para desenvolvimento pessoal entre muitas outras coisas.

Mas como um servidor ou forma-pensamento parece no dia a dia? Os servidores estão vivos? Eles são espíritos? Eles têm uma mente e vontade próprias? Você pode vê-los? Podem outras pessoas vê-los? Bem, infelizmente, não há uma resposta definitiva para isso. Todos terão uma experiência e visão diferentes sobre servidores. Pessoalmente, conheço pessoas que viram fisicamente seus próprios servidores, ou de outras pessoas. Conheço pessoas que podem sentir uma presença ou mesmo ouvir uma voz. Também conheço pessoas que nunca viram, sentiram ou ouviam seus servidores, mas os usam de qualquer maneira, pois parecem ser bastante eficazes. Outros ainda, parecem que nunca colocaram servidores para trabalhar, não importando o quanto tentem. Ainda não tenho visto nenhum dos Quarenta Servidores no mundo mundano, embora algumas pessoas me tenham dito que viram.

The Monk

Os Quarenta Servos foram criados por mim em 2016 durante o período do final da primavera até o outono. Eu fiz todas as imagens, escrevi o guia original (meio nas coxas até), criei a caixa, formatei a arte para as impressoras, criei os sites e grupos, e basicamente todas as coisas que um criador de uma obra de arte faria. Eu fiz todas as coisas mundanas, mas também queria que fossem servidores funcionais, que outras pessoas pudessem usar, e isso exigia um passo extra no processo de criação. Este é o lugar onde o Woo Woo entra.

Os Servos foram finalmente completados e nasceram na Noite do Dia das Bruxas, em 2016, numa cerimônia especial que envolveu, entre outras coisas, eu soprando a vida em cada um deles, ungindo-os com óleo ritual e dando-lhes representações de cada um dos elementos clássicos. Foi nesse ponto que se tornaram mais do que apenas imagens interessantes sem vida.

Então deixei-os se perderem no mundo, pensando que talvez um punhado de pessoas os achasse interessantes ou úteis. Afinal, Os Quarenta Servos foram criados principalmente porque eu queria usar e tê-los como parte do meu trabalho mágicko. Eu realmente não esperava que muitas outras pessoas se importassem tanto sobre eles.

Mas então algo curioso aconteceu, muitas e muitas pessoas interessando-se por eles, e rapidamente se tornou óbvio que Os Quarenta Servos estavam em uma jornada própria – uma viagem que eu nunca poderia ter imaginado!

Estou extremamente orgulhoso do meu trabalho com os Servos; Sairam de mim quase como se eu fosse apenas o canal em vez do criador, mas não me entenda mal, certamente não chegaria tão longe dizendo que foram um trabalho canalizado. No entanto, às vezes, realmente sentia que outras mãos estavam trabalhando ao meu lado ou que havia uma algo maior na história que eu não estava completamente familiarizado. Isso me lembrou quando eu estava escrevendo “THEM” e “THE HOLY NUMBERS”. Houve um ponto em que os personagens assumiram o controle e eu me tornei tão testemunho da história que se desenrolava, quanto os leitores. A diferença é que o leitor não teve que se levantar todas as manhãs e literalmente escrever e desenhar, como certamente fiz.

Quando eu trabalhava nas imagens dos Servos, me senti de certa forma como um escultor que vai retirando o excesso até que a estátua se revele, em vez de forçar minhas próprias idéias na pedra.
Desde o início, tive a sensação que os Servos tinham uma vida própria, e também pareciam ter um propósito: um que provavelmente é mais conhecido por eles do que por mim. Creio que, em retrospectiva, parece apropriado dizer que os Servos me encontraram, em vez do oposto. Se você é um criador de qualquer tipo, então estou certo de que você entende exatamente o que quero dizer.

Uma das principais razões pelas quais eu quis criar os Servos era fazer algo para mim, e também para pessoas de mentalidade semelhante, um acesso simples e fácil a determinados modelos e energias arquetípicas úteis. Portanto, os Servos podem ser vistos como representações das energias e idéias originais que existem desde o início dos tempos. A palavra arquétipo vem das palavras gregas arkhe que significa “original” ou “primeiro princípio” e typos que significa “modelo” ou “cópia”. Assim, Os Quarenta Servos representam essas idéias originais e, portanto, podem lançar alguma luz sobre nossas perguntas ou dúvidas em uma divinação. Entretanto, eles também têm o elemento adicional de estarem disponíveis e úteis durante o dia a dia cotidiano.

Alguns dos Servos têm influências muito óbvias de espíritos conhecidos: Ganesha no Road Opener, Papa Legba no Gate Keeper, ou São Cipriano no The Saint; Mas eles não são esses espíritos reais. Eles são de natureza semelhante e emprestam energia e atributos destes espíritos, mas eles não são o espírito em si. Em vez disso, eles são uma maneira fácil e simples de acessar o mesmo poder e energia que o espírito em questão representa sem a necessidade de envolver-se no sistema/paradigma do qual ele se origina.

Tradicionalmente, servidores precisam ser “alimentados” para continuar existindo. Os Quarenta Servos foram criados para viver e alimentar da atenção e de seu uso pelas pessoas. Quanto mais atenção receberem, mais poderosos se tornarão para todos que os usem. No entanto, é importante notar que o que alguém faz com os Servos não tem impacto em mais ninguém, exceto pelo fato de aumentar o nível de poder geral dos Servos. Alguém que faz algo “ruim” ou “bom” com os Servos não aumenta ou diminui o karma(ou ideia semelhante) de ninguém (e claro, somente se karma é mesmo uma ideia em que você tem afinidade). Ser alimentado pela atenção significa que Os Quarenta Servos são totalmente dependentes dos seres humanos para existir. Se as pessoas deixam de usá-los ou deixar de pensar neles, eles deixarão de existir.

Uma egrégora é semelhante a um servidor, mas foi que foi criada por um grupo de pessoas, e ao longo do tempo torna-se uma entidade autônoma que é constituída, e influencia, os pensamentos do grupo. Enquanto a criação por um grupo é o método usual, se pessoas suficientes colocam energia ou crença no servidor de outra(s) pessoa(s), este provavelmente se tornaria uma egrégora com tempo e uso grupal suficientes.

Enquanto Os Quarenta Servos poderiam ser vistos como pertencentes à categoria de egrégoras, eu hesito em usar essa palavra ou rotulá-los dessa forma. O problema vem com a palavra “autônomo”. O pensamento de que os Servos estão por ae correndo de forma selvagem e livre assusta as pessoas e dificultando o uso do sistema(as vezes impedindo completamente).

Em relação a isso digo: antes de mais nada, os Servos trabalham para você. Sua função é atendê-lo(a) e ajudá-lo(a) a obter as coisas que deseja. Todo o objetivo dos Quarenta Servos era dar às pessoas acesso fácil, seguro e direto à energia e ao poder desses arquétipos.

Esta é a beleza dos Servos. Eles estão aqui para ajudá-lo(a) e servi-lo(a). Foi para isso que foram criados. Então, se você achar que eles parecem estar saindo do controle e/ou causando problemas é porque você os deixou ou quer que atuem assim em algum nível. Em algum momento você deu-lhes permissão para ser agirem livremente.

Embora existam relatos na Internet de servidores saindo de controle, percebi que a maioria desses relatos são de pessoas cujas vidas já parecem um pouco fora de controle ou onde o drama já parecem segui-los. Eu pessoalmente nunca tive um servidor que saiu de controle ou algo minimamente perto disso.

A melhor maneira de se pensar nesse tipo relacionamento é que você é o empregador, e os Servos são os empregados. Você é o chefe e os Servos trabalham para você. Você pode ser um chefe bom e gentil se quiser, mas você deve ser o chefe. Os Servos foram criados para servir, e eles o fazem alegremente. Tenha o objetivo de manter o controle em todos os momentos e manter o devido equilíbrio adequado desta relação.

Agora, finalmente, há um caso a ser pensado que sugere que Os Quarenta Servos são apenas idéias na cabeça do usuário e nada mais. Não é magia, não é woo woo, é tudo psicológico. Está tudo na nossa cabeça. Mas isso não significa que Os Quarenta Servos sejam inúteis ou não tenham poder.

Nesta teoria, Os Quarenta Servos permitem que as pessoas acessem suas próprias mentes e sintam como cada uma das energias arquetípicas atuam. Por exemplo, podemos invocar Servo The Father e começar a imaginar o que ele deve sentir, ou ser. Como ele pensa? Como seria o seu diálogo interno? Como ele abordaria um problema? Poderíamos então sair pro mundo a partir desta perspectiva única. O mesmo vale para qualquer um dos Servos – outro exemplo: The Healer tem a capacidade de ativar uma resposta placebo. Se nos relacionamos com mundo de um certo ponto de vista, o mundo tende a refletir isso de volta para nós. Seguindo deste único ponto de vista fisiológico, o uso dos Quarenta Servos pode ser extremamente poderoso e benéfico em diversas maneiras.

No final, penso que é melhor deixar a resposta da pergunta “O que exatamente são Os Quarenta Servos?” para cada usuário decidir por si. Eles são espíritos? Eles são servidores? Eles são egrégoras? Eles são arquétipos? Está tudo na nossa cabeça? Eles são uma mistura de todas essas coisas?

E talvez não importa o que são, apenas que eles funcionam.

Como fazer uso mágicko com os servos

A maneira mais simples de realizar Magia com os Servos é escolher com qual servo você quer trabalhar. Escolha um Servo que você sinta que irá melhor combinar com seu desejo. Então, na frente da Imagem ou do Sigilo, acenda uma vela de chá e diga-lhes o que você deseja. Diga-lhes que você acenderá outra vela quando o seu desejo for cumprido.

Para mais informações dos usos Mágickos dos Servos consulte o The Grimoire of The Forty Servants.

Autor: Tommie Kelly – https://www.adventuresinwoowoo.com/thefortyservants/

Tradução: Duende Chesini

This Post Has 3 Comments

Deixe uma resposta

Back To Top
Search