Credo

Um deus é uma metáfora que ilumina a existência.

Nenhum homem e mulher ainda é sábio o suficiente para dizer se tais metáforas são inventadas ou descobertas. Sabemos apenas que eles nos iluminam pela beleza, pelo poder, pela coerência.

Robert Anton Wilson
Robert Anton Wilson

Um deus é uma metáfora que ilumina a existência.

Nenhum homem e mulher ainda é sábio o suficiente para dizer se tais metáforas são inventadas ou descobertas. Sabemos apenas que eles nos iluminam pela beleza, pelo poder, pela coerência.

A beleza não é suficiente para manifestar um deus vivo, uma metáfora que nos ilumina.

A beleza manifesta ninfas e sirenes e vários elementais; mas um deus é conhecido também por poder e coerência.

O poder, da mesma forma, pode não manifestar um deus vivo. O poder manifesta demônios, sátiros e monstros; mas um deus é conhecido também pela beleza e coerência.

A coerência, da mesma pegada, pode não manifestar um deus vivo. A coerência manifesta templos nos quais os deuses podem habitar. Esses templos podem não ser arquitetônicos no sentido estrito; A música de Bach, a tabuada de multiplicação, as cartas do Tarô, a Tabela Periódica dos Elementos, grandes pinturas e muitos outros artefatos semelhantes são templos nos quais um deus vivo pode habitar.

Sabe-se que um deus está no templo quando, depois de contemplar a coerência da estrutura, é capturado, violentamente, pelo poder e beleza dela, como por uma luz, uma chama ou uma refulgência.

Essa iluminação é uma descarga de energia e informações compactadas.

Um deus pode estar presente no templo para um espectador e não para outro. É uma ocorrência comum, porque homens e mulheres são variados e diferem em sua capacidade de apreender beleza, poder e coerência.

Pode-se aprender a apreender a beleza mais plenamente; essa é a função das artes. Pode-se aprender a apreender o poder mais plenamente; essa é a função da tecnologia. Pode-se aprender a apreender a coerência mais plenamente; essa é a função da pura ciência e filosofia.

Diz-se que aqueles que apreendem apenas a beleza são seduzidos pelas ninfas ou sirenes. Os irlandeses dizem que “suas mentes foram roubadas pelas fadas”.

Aqueles que apreendem o poder só se tornam possuídos por demônios, e dizem figurativamente que dão à luz monstros.

Aqueles que apreendem coerência só se tornam conchas e mausoléus vazios, ruínas e labirintos.

Pode-se entender um deus parcial ou totalmente.

Aqueles que entendem deuses parcialmente podem pensar neles como construções lingüísticas, sistemas de informação, complexos psicológicos, leis históricas ou outras formas parciais.

Compreender um deus completamente é tornar-se um com ele. Isso não pode ser alcançado sem equilíbrio, sem harmonia.

É muito mais fácil se tornar um com uma ninfa, um elementar, um demônio, um monstro ou um mausoléu vazio.

Todos os místicos de todas as tradições concordam que um deus não pode ser explorado.

As religiões organizadas são conspirações para explorar vários deuses, lisonjeando-os, obrigando-os através de rituais ou subornando-os.

A experiência indica que essas técnicas não funcionam, e os pretensos exploradores são meramente seduzidos por sereias ou possuídos por demônios ou, de outra forma, se tornam eles mesmos os explorados.

Um deus não é mostrado ou manifesto, uma teofania não ocorre, até que a exploração seja abandonada por simples amor. Pode haver beleza, poder e coerência, mas o deus é apenas apreendido vagamente, não totalmente compreendido, até que a mente seja inflamada pelo amor.

Este é o significado da observação de Spinoza de que “o amor intelectual pelas coisas consiste em entender suas perfeições”; e “Amare videre est”, de Richard St. Victor (Amar é perceber).

Um deus é conhecido por sua beleza, poder e coerência, mas um deus é somente conhecido através do amor. Essa é a essência do ditado dos místicos: “A porta se abre para dentro”.

É possível, e até provável, que ninfas, sátiros e outros sejam apenas deuses que foram apreendidos sem amor – parcialmente, obscuramente, de maneira distorcida”

“Credo” de Robert Anton Wilson