A feitiçaria

A feitiçaria funciona criando ao redor de si um espaço físico/psíquico ou aberturas para um espaço de expressão sem barreiras – a metamorfose do lugar cotidiano numa esfera angelical. Isso envolve a manipulação de símbolos (que também são coisas) e de pessoas (que também são simbólicas) – os arquétipos fornecem um vocabulário para esse processo e, portanto, são tratados ao mesmo tempo como reais e irreais, como as palavras. Ioga da Imagem.

O feiticeiro é um Autêntico Realista: o mundo é real – mas a consciência também o deve ser, já que seus efeitos são tão tangíveis. Um obtuso acha que até mesmo o vinho não tem gosto, mas o feiticeiro pode se embriagar simplesmente olhando para a água. A qualidade da percepção define o mundo do inebriamento – mas, sustentá-lo e expandi-lo, para incluir os outros, exige um certo tipo de atividade – feitiçaria.

A feitiçaria não infringe nenhuma lei da natureza porque não existe nenhuma Lei Natural, apenas a espontaneidade da natura naturans, o Tao. A feitiçaria viola as leis que procuram deter seu fluxo – padres, reis, hierofantes, místicos, cientistas e vendedores consideram a feitiçaria uma inimiga porque ela representa uma ameaça ao poder de suas charadas e à resistência de sua teia ilusória.

Um poema pode agir como um feitiço e vice-versa – mas a feitiçaria recusa-se a ser uma metáfora para uma mera literatura – ela insiste que os símbolos devem provocar incidentes assim como epifanias particulares. Não é uma crítica, mas um refazer. Ela rejeita toda escatologia e metafísica da remoção, tudo que é apenas nostalgia turva e futurismo estridente, em favor de um paroxismo ou captura da presença.

Incenso e cristal, adaga e espada, cetro, túnicas, rum, charutos, velas, ervas como sonhos secos – o garoto virgem com olhar fixo num pote de tinta – vinho e haxixe, carne, iantras e rituais de prazer, o jardim de huris e sagüis – o feiticeiro escala essas serpentes e escadas até o momento totalmente saturado por sua própria cor, em que montanhas são montanhas e árvores são árvores, em que o corpo torna-se eternidade e o amado torna-se vastidão.

– Hakim Bey

Sobre o fazer

“Os bons magistas, feiticeiros, xamãs, monges, sacerdotes e iluminados tem muito mais o que fazer do que ficar papeando em internet. Trabalho sempre tem, falta é quem queira  trabalhar. As pessoas mais iluminadas que eu conheço são super na delas e trabalham pra caramba, todo dia tem o que fazer, e quem trabalha, por si mesmo e pelo outros, não tem tanto tempo de ficar nesse meio “espiritual-esotérico-mágico” de gente que sabe de tudo, fala mais do que escuta, e não sabe lidar com a mínima perturbação espiritual real na prática. Como provavelmente diria Crowley, evite essas pessoas como se elas fossem leprosas. Gente assim mais atrapalha a jornada espiritual alheia do que ajuda, eles projetam os medos deles, se eles não conseguiram fazer (como não conseguem quase nada mesmo) eles te dizem pra ter cuidado, é perigoso, não faça isso, etc. Quem quer crescer de verdade, precisa parar de assuntar com esse tipo de gente, e procurar se aproximar de gente que leva isso à sério mesmo, gente que está decidida à se iluminar, e que tenha algo a acrescentar e à incentivar, e não a amedrontar e confundir. Essa gente ainda não se tocou da real, da imensidão cósmica, eles podem até ter lido muito sobre isso, mas enquanto não tiverem experiência real com o astral superior, vão continuar ocupando seus dias em pequenices e fanfarronices, ao invés de dedicarem esforço real pela evolução de suas almas. Nego não tem a mínima noção de que os pequenos prazeres desse mundo não são nada se comparados com os primores das esferas superiores, se soubessem parariam de falar e começariam a trabalhar pra sair da lama… Mas tipo, sempre foi assim né, não há tanto o que fazer por eles além de cuidar de si mesmo e ser um bom exemplo.” – Noleto, Andreas