skip to Main Content
duende@divagacoes.org

Modelos da Magia – por Frater U.’.D.’.

Modelos da Magia Por frater U.’.D.’.

Enquanto explorava as possibilidades de novas e mais eficientes técnicas de magia me atentei ao fato de que uma visão estruturalista da história da magia até a atualidade pode ser útil. Até porque, magistas desde sempre tem aspirado em redefinir a teoria e prática da magia para termos que se enquadrem a linguagem de seus tempos, ou seja, diferentes modelos que se enquadrem na visão atual do mundo.

Ainda existe, entretanto, um risco envolvido em tal abordagem: modelos não explicam realmente nada, eles são apenas ilustrações dos processos, mesmo que bastante úteis. E ainda, super-sistematização tende a ofuscar mais do que clarear e não se deve confundir o mapa com a paisagem, uma falácia que muitos kaballistas parecem ser propensos a cometer.

Logo, os próximos cinco (ou melhor dizendo: quatro mais um) modelos de magia devem ser vistos como meios de entendimento das possibilidades praticas de vários sistemas mágicos ao invés de teorias definitivas ou explicações(NT: ao pé da letra) de como a magia funciona.

Mostrou-se efetivo em prática ver a magia nas seguintes categorias:

Continue lendo

Ensaio- O que é Chaos Magick – Definindo CAOS

Introdução

Chaos, de acordo com o “Dicionario Inglês de Oxford” Significa:

  1. Um imenso vazio, brecha ou abismo.
  2. Uma “forma amorfa vazia” de matéria primordial, o grande profundo ou abismo dos quais o cosmos ou a ordem do universo evoluiu.

Ali estão um amontoado de definições adicionais, mas irrelevantes para essa discussão.

Quando chaos é usado em magick, ali não há lugar para com- fusão ou desordem.

Chaos é o principio criativo por traz de toda a magick. Quando um ritual mágico é executado, independente da “tradição” ou outras variáveis nos elementos da execução, energia é criada com o intuito de fazer algo acontecer. Em seu livro, ‘Sorcery as Virtual Mechanics’, Stephen Mace cita um precedente cientifico para este princípio criativo.

Eu cito:

“Para manter simples, vamos limitar nosso exemplo a somente 2 elétrons, os pontos transportadores de carga negativa. Vamos dizer que são um parte do vento solar–particulas beta, por assim dizer–transmitido a partir do sol numa velocidade de milhares de milhas por segundo. Dizer que esses 2 chegam perto o suficiente ao ponto de fazer suas cargas negativas interagirem entre si, levando-as a repelir uma a outra. Como eles podem realizar essa alteração dinâmica?”

“Segundo a eletrodinamica quântica, eles fazem trocando um photon “virtual”.
Um eletron gera-o, o outro absorve-o, e assim eles repelem-se mutuamente. O photon é “virtual” porque não pode ser visto por um observador externo, sendo totalmente contido na interação. Mas é real o suficiente, e a emissão e absorção de photons virtuais é como a interação eletromagnética funciona.”

“A questão que é relevante para nosso propósito aqui é da onde o photon aparece. Ele não sai de um eletron e aparece no outro, como um pedregulho atirado de uma pedra para outra. Os próprios elétrons são inalterados, exceto no momento da troca. Em vez disso o photon é criado no nada pela tensão da interação. De acordo com a teoria corrente, quando 2 eletróns chegam próximos um do outro suas formas de ondas interagem, ou cancelando um ou reforçando ambas, Formas de onda estão intimamente ligadas a características como a carga elétrica, e nós poderíamos esperar que a carga dos dois elétrons mudassem. Mas a carga dos elétrons não varia; é sempre 1.602 x (-19) coulombs. Entretanto os photons virtuais simplesmente aparecerem do vácuo e agem para reajustar o sistema. O stress gera-os e por sua criação o stress é resolvido”.

Austin Spare entendeu este princípio em relação a fenomenos magickos muito antes dos cientistas descobrirem photons ou iniciar experimentos na área da ciência do chaos.

Continue lendo
Back To Top
Search