F.A.Q Ourano Barbarico 3.01

Escrito e mantido por Fenwick Rysen, traduzido por Andreas Noleto, revisado por Chaos Baby e editorado por Duende.
Se você tem alguma questão não respondida no FAQ, idéias para serem desenvolvidas, ou correções para serem feitas, por favor, o contate pelo fenwick@chaosmatrix.com
Este FAQ ou pelo menos seu ultimo release está disponível na net no:
http://www.chaosmatrix.com/lib/chaos/texts/obfaq.html
Um agradecimento especial à aqueles que ajudaram-me a aprender Barbárico Ouraniano e responderam as minhas populosas perguntas, e aqueles que ajudaram a contribuir com o FAQ. Eles são, sem nenhuma ordem particular: Fireclown, Joseph Maxx.555, Hine Nui Te Po, Tzimon Yliaster, Peter Carroll, Chaos Baby, Andreas Noleto, Duende e vários outros que permanecem anônimos. Isto não seria possível sem a ajuda deles.

Este documento Copywronged (x) 1998-2000 by Fenwick Rysen. Sinta-se Livre para copiar, hackear, deformar, mexer, torcer, rasgar, repostar ou imprimir quantas malditas copias você quiser, e entregar elas pra qual desgraçado que quiser, contanto que mantenha este aviso de copywrong intacto.
As respostas das questões neste FAQ não são impositivas, e as pessoas são encorajadas, assim como em tudo, a pegarem o que quiserem e descartar o resto.

===========================================================================

I    ORIGENS
===   =======
1.1 O que é o Ourano Barbárico?
1.2 O que significa a palavra Ourano?
1.3 Por que é chamado de Ourano “Barbárico”?
1.4 De onde vem o Ourano Barbárico?
1.5 Qual a origem dos Dicionários de Ourano Barbárico na net?

II GRAMÁTICA E SINTAXE
=== ==================
2.0 Resumo de Ourano Barbárico segundo a IOT-Sul América
2.1 O Ourano Barbárico tem uma sintaxe padrão?
2.2 Porque a palavra para “Eu” e “Nós” é a mesma?
2.3 Porque todos os verbos são na forma de “fazer”?
2.4 Como faço para transformar substantivos Ouranos em verbos,
adjetivos, advérbios e vice versa?

2.5 O que significa o “T+” e “T-” que vem com algumas palavras?
2.6 Porque palavras Ouranas são sempre maiúsculas?
2.7 Como se pronunciam algumas dessas palavras?

III MISCELLANIA
=== ===========
3.1 Como se criam novas palavras em Ourano Barbárico?
3.2 Onde posso obter um dicionário de Ourano Barbárico?
3.3 O que devo fazer com as novas palavras Ouranas que eu criar?
3.4 O que significa usar o Ourano como o “Alfabeto do Desejo”?
3.5 As palavras em “Masses of Chaos”, livro de Peter Carroll, são em Ourano?
3.6 Existem outras línguas bárbaras por aí?
3.7 Quais outros recursos em Ourano podem ser encontrados pela net?
3.8 Existe uma Gematria para o Ourano Barbárico?
3.9 Qual é a relação entre o Ourano Barbárico e o Censor Psíquico?
3.10 Há algum “Alfabeto Ourano” com suas próprias letras?

IV UPDATE HISTORY
=== ==============
4.1 Atualizações do Dicionário
4.2 Mudanças do FAQ

=========================================================================== Continue lendo “F.A.Q Ourano Barbarico 3.01”

Modelos da Magia – por Frater U.’.D.’.

Modelos da Magia Por frater U.’.D.’.

Enquanto explorava as possibilidades de novas e mais eficientes técnicas de magia me atentei ao fato de que uma visão estruturalista da história da magia até a atualidade pode ser útil. Até porque, magistas desde sempre tem aspirado em redefinir a teoria e prática da magia para termos que se enquadrem a linguagem de seus tempos, ou seja, diferentes modelos que se enquadrem na visão atual do mundo.

Ainda existe, entretanto, um risco envolvido em tal abordagem: modelos não explicam realmente nada, eles são apenas ilustrações dos processos, mesmo que bastante úteis. E ainda, super-sistematização tende a ofuscar mais do que clarear e não se deve confundir o mapa com a paisagem, uma falácia que muitos kaballistas parecem ser propensos a cometer.

Logo, os próximos cinco (ou melhor dizendo: quatro mais um) modelos de magia devem ser vistos como meios de entendimento das possibilidades praticas de vários sistemas mágicos ao invés de teorias definitivas ou explicações(NT: ao pé da letra) de como a magia funciona.

Mostrou-se efetivo em prática ver a magia nas seguintes categorias:

Continue lendo “Modelos da Magia – por Frater U.’.D.’.”

Ensaio- O que é Magia do Caos – Definindo CAOS

Introdução

fractalChaos, de acordo com o “Dicionario Inglês de Oxford” Significa:

  1. Um imenso vazio, brecha ou abismo.
  2. Uma “forma amorfa vazia” de matéria primordial, o grande profundo ou abismo dos quais o cosmos ou a ordem do universo evoluiu.

Ali estão um amontoado de definições adicionais, mas irrelevantes para essa discussão.

Quando chaos é usado em magick, ali não há lugar para com- fusão ou desordem.

Chaos é o principio criativo por traz de toda a magick. Quando um ritual mágico é executado, independente da “tradição” ou outras variáveis nos elementos da execução, energia é criada com o intuito de fazer algo acontecer. Em seu livro, ‘Sorcery as Virtual Mechanics’, Stephen Mace cita um precedente cientifico para este princípio criativo.

Eu cito:

“Para manter simples, vamos limitar nosso exemplo a somente 2 elétrons, os pontos transportadores de carga negativa. Vamos dizer que são um parte do vento solar–particulas beta, por assim dizer–transmitido a partir do sol numa velocidade de milhares de milhas por segundo. Dizer que esses 2 chegam perto o suficiente ao ponto de fazer suas cargas negativas interagirem entre si, levando-as a repelir uma a outra. Como eles podem realizar essa alteração dinâmica?”

“Segundo a eletrodinamica quântica, eles fazem trocando um photon “virtual”.
Um eletron gera-o, o outro absorve-o, e assim eles repelem-se mutuamente. O photon é “virtual” porque não pode ser visto por um observador externo, sendo totalmente contido na interação. Mas é real o suficiente, e a emissão e absorção de photons virtuais é como a interação eletromagnética funciona.”

“A questão que é relevante para nosso propósito aqui é da onde o photon aparece. Ele não sai de um eletron e aparece no outro, como um pedregulho atirado de uma pedra para outra. Os próprios elétrons são inalterados, exceto no momento da troca. Em vez disso o photon é criado no nada pela tensão da interação. De acordo com a teoria corrente, quando 2 eletróns chegam próximos um do outro suas formas de ondas interagem, ou cancelando um ou reforçando ambas, Formas de onda estão intimamente ligadas a características como a carga elétrica, e nós poderíamos esperar que a carga dos dois elétrons mudassem. Mas a carga dos elétrons não varia; é sempre 1.602 x (-19) coulombs. Entretanto os photons virtuais simplesmente aparecerem do vácuo e agem para reajustar o sistema. O stress gera-os e por sua criação o stress é resolvido”.

Austin Spare entendeu este princípio em relação a fenomenos magickos muito antes dos cientistas descobrirem photons ou iniciar experimentos na área da ciência do chaos. Continue lendo “Ensaio- O que é Magia do Caos – Definindo CAOS”

Ritual Gnóstico do Pentagrama – RGP

No RGP – Ritual Gnóstico do Pentagrama –  primeiramente a intenção é a libertação e banimento de qualquer simbolismo pré-existente, afim de que o magista possa entrar em contato com o Self e assim obter o sucesso desejado em qualquer operação mágica.

Usos do RGP:

  • Para estabelecer o equilíbrio, concentração e controle antes e após rituais mais complexos.
  • Para praticar a visualização a qualquer momento.
  • Como um exorcismo preliminar de indesejáveis fenômenos mentais ou psíquicos.
  • Como um auxílio à cura, particularmente auto-cura.

Praticamente a pomada do peixe-elétrico do amazonas.

Ele se inicia com a respiração profunda e mentalização de radiâncias em cinco centros vitais de nosso corpo (relacionados completamente com os chakras). Cada radiância é acompanhada com a vibração de uma vogal e deve causar uma sensação específica no momento de sua entoação. As vogais são vibradas como mantras no momento da exalação (técnica conhecida como pranayama) Conforme descrito em sua concepção :

O corpo deve ser tocado como um instrumento musical, com cada parte ressonando de acordo com um tom.

Realizado tal processo, deve-se traçar em sentido anti-horário um pentagrama para cada um dos quatro cantos (Norte, Sul, Leste, Oeste). Ao concluí-los, deve-se novamente voltar ao início e entoar novamente as vogais.

Segue o procedimento do ritual: Continue lendo “Ritual Gnóstico do Pentagrama – RGP”

Diretrizes para avaliação de cultos

(Em uma escala de 1-5, com 5 sendo absotulo sim  e  1, absoluto não, marque todas as áreas de avaliação subjacentes.)

  • AUTORIDADE:
    grau pelo qual o grupo e/ou líder(es) reinvindicam o conhecimento definitivo sobre a natureza da realidade.
  • PODER:
    grau pelo qual o grupo e/ou líder(es) oferecem poder e status como resultado da afiliação ao grupo.
  • DINHEIRO:
    grau pelo qual suas finanças estão envolvidas para apoiar sua participação ao grupo e/ou apoiar seu(s) dirigente(s).
  • POLÍTICA:
    grau de hierarquia interna ou distancia entre novos membros e lider(es)…..pressões para atingir posição.
  • DOUTRINAÇÃO:
    grau pelo qual membros devem por a moral e a ética do grupo acima das suas proprias;  também o grau de rigidez dogmática e filosófica.
  • CENSURA:
    grau de controle que os líderes exercem sobre o estilo de comunicação dos membros; grau de inibição de idéias vindas de fora sobre o grupo, seus dogmas e seus dirigentes.
  • MEDO:
    grau de preocupação sobre inimigos reais ou imaginários; também é o grau do quanto humor é proibido em relação ao grupo, dogmas etc.
fonte: http://www.chaosmatrix.org/library/magick/texts/culteval.html

Definindo Chaos Magick

Caos não é em si mesmo, um sistema ou filosofia.  É antes uma atitude que se aplica a uma magia e filosofia, é a base para toda a magiam que é a força criativa primal. Um mago do caos aprende uma variedade de técnicas mágickas, geralmente a quantidade que ele(a) consegue ter acesso da-lhe torrent,emule, mas vê através dos sistemas e dogmas, vê a física causadora da força magicka e usa quaisquer métodos que lhe agrade. Caos não vem com um Grimório específico ou mesmo um conjunto de ética. Por esta razão, tem sido apelidado de “Caminho da mão esquerda” por alguns que optam não entender aquilo que está além do próprio caminho que escolheu. Não existe um conjunto específico de feitiços que são considerados “feitiços da magia do Caos”. Um Mago do Chaos irá utilizar os mesmos processos mágicos que outros caminhos, ou aqueles que ele(a) mesmo criar. Todo e qualquer método ou informação são válidos, a única exigência é que funcione. Dominar o papel da mente sub-consiente em operações magickas é o cerne, o núcleo da mesma, e o estado chamado de “vacuidade” por Austin Osman Spare é o caminho para este fim. Qualquer um que participou de um ritual bem sucedido experimentou certo grau de “elevação” que este estado induz.

Um entendimento dos princípios científicos por trás magia não implica necessariamente um ter um nível catedrático em física(embora isso não doeria tanto, se a atitude linear in loco que o estudante poderia estar presenciando), experiência em resultados mágicos trarão o entendimento necessário.

Está serie é voltada para o aumento do número de pessoas que perguntam, “O que é magia do caos?”. É muito básico e não pretende ser uma explicação completa de qualquer um dos elementos descutidos. Muitos dos princípios de magia devem ser auto-descobertos, minha única intenção aqui é tentar definir e trazer juntos os vários elementos associados a Magia do Caos em um conjunto inteligível. Para aqueles que desejam aprender mais sobre este assunto, tenho preparada uma lista de leitura para esta seção, entretanto, devo enfatizar que existe sempre mais fontes que uma pessoa conhece, então não se limite a esta lista. Chaos não tem limites…

Para Leitura:

  • The Book Of Pleasure por Austin Osman Spare
  • Anathema Of Zos por Austin Osman Spare
  • A Book Of Satyrs por Austin Osman Spare
  • Images and Oracles of Austin Osman Spare por Kenneth Grant
  • The Early Work of A.O.S.
    Excess Spare
    Stations In Time

Estes três ultimos são coleções disponiveis pela TOPY

Disponivel em lojas:

  • Chaos: making a new science por James Gleick
  • Turbulent Mirror por John Briggs & F. David Peat
  • Liber Null & Psychonaut por Peter J. Carroll
  • Practical Sigil Magick por Frater U.D. Continue lendo “Definindo Chaos Magick”