O Diabo

– Thou Shall Not Pass

Existem momentos memoráveis da literatura ou do cinema – talvez de ambos – que nos ajudam a entender algumas coisas e assim, acredito que a imagem de Gandalf colaborará com o tema de hoje: Escudos Psíquicos.

Um escudo é uma proteção que levantamos – ou mantemos levantada indefinidamente? – contra forças externas: sejam ambientes, pessoas, espíritos ou qualquer coisa que possa fazer a pessoa sentir-se mal.

Hoje vou me focar mais na questão de ataques direcionados intencionalmente por parte de uma pessoa a outra, e assim chamo em suas memórias a cena de o Senhor dos Anéis*:

Continue lendo “O Diabo”

A Temperança

Saudações Joviais

Hoje me sinto calmo e paciente – e ainda nem tomei nada do armário de remédios. ainda.  Aproveitando portanto esta vibe Zen, pensei em tirar alguns momentos para falar sobre meditação.

Sim concordo que atualmente é dificil tirarmos um momento para uma atividade tão simples, e acredito que todos temos problemas – ou desculpas – para dizer: ah amanhã eu começo denovo…. – eu sei que eu tenho. :P.

Mas por outro lado talvez nos também estamos ritualizando algo que deveria ser mais simples: Quando se fala de meditação logo se pensa nos monges do tibete, sentar-se em posição de lotus ou para os mais descontraídos deitar na cama confortavelmente.

Continue lendo “A Temperança”

Intervalo: Elogio aos Gênios

Olá Todos, 

Farei hoje um post fora da minha série habitual tendo em vista duas coisas que achei interessantes: o Post do duende-amigo “elogio dos idiotas” e uma “reportagem” que vi hoje, mas é de uns 3 dias atrás.

A reportagem eu achei péssima, mas de tão horrível, conseguiu me levar à algumas reflexões: Se a diferença entre o Idiota e o Sábio pode ser encontrada na percepção que se tem de sabedoria ou nos tipos de sabedoria que existem, proponho, alias Eu mesmo não proponho nada, sigo a indicação que a  a diferença entre o Genio e o Louco, reside em nossa sociedade, exclusivamente  no “sucesso” do primeiro.

A reportagem, cujo o link poderão encontrar no final deste post, tenta discutir a personalidade ou o caráter de Bernard Madoff. Para quem não sabe de quem eu estou falando, por favor, vamos ficar um pouquinho mais atenados ao mundo lá fora, sim?  Mas em todo caso, Madoff é simplesmente o caro que “sozinho” criou uma fraude de nada menos que 64,8 bilhoes de doláres (até o momento). 

Antes de descoberto seu segredo, ele era visto como um Gênio de Wall Street, Diretor (não-executivo) da NASDAQ,  além de membro de varias outras “boards” importantes do EUA.

Madoff talvez seja um daqueles casos de filme retratando o sonho americano: o homem que criou-se do nada e chegou no topo do mundo (talvez pudessem contratar Antonhy Hopkins para retrata-lo em sua fase final). 

Porém um dia a casa cai… e a casa do Madoff caiu levando consigo um bocado de instituições.  E eis que começaram os  elogios:  Um psicopata, Alguem que se achava um Deus. 

Mas o que realmente mudou entre o Gênio de Wall Street e o Psicopata-Egocêntrico da reportagem em questão? Talvez aqui novamente, a percepção da genialidade tenha sido alterada, de um Gênio de fundos de investimentos, passou a um Gênio criminoso – mas esse é um tipo que à sociedade não convém. 

Seria então a diferença entre o Sucesso estrondoso e Falhar miseravelmente, aquilo que separa Divindades de Meros Mortais?  

A lição que deixa a nós o Grande Mestre Madoff é simples, faça o que quiser fazer, mas tenha sucesso no que faz.

 

Reportagem sobre Madoff:

http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI3704633-EI13527,00-Madoff+ou+a+teia+de+aranha+de+Deus.html

Elogio aos Idiotas

A idiotice tem várias facetas. Há espertalhões, por exemplo, que para não serem considerados burros aplaudem o que não entendem e há pessoas geniais – como Eistein – que passam por idiotas. A verdade é que os idiotas, como os sábios, tentam sempre, sem medo de errar.

Prensa Três

Na vida acelerada do mundo de hoje, todos querem ser espertos, vivos e astuciosos. Ninguém quer ficar para trás – quando você está indo, os outros já estão voltando. Ninguém mais diz frases com segundas intenções: dizem coisas com terceiras, quartas e quintas intenções. Frases que, com sorte, um leigo demora de dez a 30 minutos para decifrar, e até dois dias para imaginar uma resposta à altura.

Em compensação, alguém que diz diretamente aquilo que pensa acaba provocando escândalo e mal-estar. É imediatamente catalogado como perigoso e tratado como idiota. A sinceridade parece contrariar as normas da convivência e da boa educação modernas. Assim, as pessoas bem-educadas são amáveis, mas nem sempre se deve acreditar no que dizem.

A idiotice é um tema vasto, com muitos aspectos diferentes, que sempre esteve presente na minha vida e está inscrita com destaque na cultura brasileira. Um exemplo disso são as tradicionais piadas de português. Elas são uma projeção da brasilidade. No fundo, os portugueses idiotas das piadas somos nós. Os episódios que envolvem Manuel, Joaquim e Maria são todos uma parte da alma do nosso país – tanto é assim que só são conhecidos no Brasil. Em Portugal, ao contrário, circulam piadas de brasileiros.

É certo que, quando examinamos a questão da inteligência e da idiotice, surgem algumas perguntas indiscretas: o que é, afinal, inteligência? O que é burrice? Quantos tipos há de idiotas? Continue lendo “Elogio aos Idiotas”

Justiça

Serenity Now !


Após muito papear com alguns colegas, percebi que existe uma questão que deveria ser colocada e que melhor momento para fazê-lo do que sob o signo de Têmis?

Até o momento falamos sobre energia e sua manipulação, sobre concentração e a vontade.

Aproveitemos esse momento então para uma reflexão pessoal: o que você está fazendo – supondo que esteja – está fazendo realmente?

Não se trata de uma questão de ego – per se –  mas sim de sentimento: como aquilo que sentimos atrapalha a diferenciar o que queremos (ou tememos) daquilo que de fato é.

O experimento de hoje é simples, ou talvez o mais complicado: que tal encarar-se frente espelho e indagar-se: “eu estou fazendo ou estou me enganando?”

Dizem, que a respostas estão nos olhos.

Basta encará-los

 

O Jogo de Pôquer Cósmico

<Ordem> Estão cada um aqui? Cada um tem seu oposto?
<Caos> Eu estou aqui, mas meu oposto é você.
<Ordem> Ahn?
<Mal> Não deixe ele te encher. Estamos todos aqui.
<Verdade> Meu oposto não está aqui.
<Bem> Seu oposto é a ´Mentira´?
<Verdade> Meu oposto é o “vácuo”. Ele não conseguiu estar presente.
<Mal> >debochando< Figuras!
<Ordem> Agh! Como nós faremos para assentar os cinco? Esta mesa é
feita para seis!
<Mal> Apenas pegue uma cadeira e tire daqui.
<Bem> Eu tenho as cartas.
<Mal> Eu tenho as fichas.
<Verdade> Eu tenho a cerveja.
<Caos> Eu tenho as cartas!
<Ordem> Cale-se!

<Ordem> A mão é de quem?
<Mal> Você tem que perguntar isso TODA vez?
<Verdade> A mão é do Bem.
<Bem> OK, cinco cartas cada …uau, todas estão fantásticas.
<Mal> Como alguém pode ganhar se todas estão fantásticas?
<Bem> Ninguém pode ganhar, mas todos nós podemos nos chamar
vencendores se….
<Ordem> Eu gosto deste jogo.
<Mal> Isto é sem propósito.
<Verdade> Está na hora de pedir cartas.
<Bem> Aqui vamos nós! Sua aposta, Verdade.
<Verdade> Aposto 5 pratas.
<Ordem> Aposto as suas 5 e mais 5.
<Mal> Seus imbecis, ainda não perceberam? Não importa o quanto é
apostado no início!
<Ordem> Mas eu prefiro o número 10.
<Mal> >suspiro< Eu pago para ver.
<Caos> Eu passo.
<Mal> Mas você não pode perder!
<Caos> Ainda assim eu passo.
<Bem> OK, eu também pago. Quantas cartas, Verdade?
<Mal> Qual é o ponto em trocar cartas?
<Verdade> Eu manterei as 5 cartas que tenho.
<Ordem> Eu quero duas.
<Mal> Por que?!?
<Ordem> Eu não gostei daquelas.
<Mal> Nenhuma para mim.
<Caos> Eu quero seis.
<Bem> Sinto muito, você passou. A mão fica com as cartas. Apostas?
<Mal> Ah, anda logo com isso.
<Ordem> Mas agora nós temos que apostar!
<Mal> Qualquer dinheiro que vc colocar, você pegará depois!
<Verdade> Eu concordo com o Mal. Vamos motrar nossas cartas.
<Verdade> Eu tenho cinco ases.
<Ordem> Eu tenho cinco ases de espadas.
<Caos> Eu tenho uma trinca.
<Bem> Por favor, fique quieto. Eu também tenho cinco ases. Todos
nós ganhamos.
<Mal> Ahn, ahn. Seis ases. Vejam e chorem.
<Bem> Onde vocÊ conseguiu aquela carta?
<Verdade> Ele roubou-a do Caos.
<Mal> Vocês conhecem a regra rapazes, o monte de grana é meu.
<Bem> Este foi um jogo estúpido.
<Ordem> De quem é a mão?
<Verdade> O progresso da mão é pelo oposto de quem deu as cartas
antes. O Caos dá as cartas.
<Caos> Uau!
<todos fora o Caos> >gemidos<
<Caos> O jogo terá onze cartas com três, oitos, valetes e reis…
cincos conta como quatros, quatros contam como noves,
e rainhas não contam, a não ser que um número primo de
espadas apareça.
<Ordem> Eu passo…

fonte: http://www.Chaosmatrix.org/library/humor/poker.txt
Tradução – Lobo Solitário.
http://br.geocities.com/kaosbrasil/PokerCosmico.txt